Notícias

Pesquisas do PPGCOM revelam desafios das mulheres e jovens no mercado de trabalho

Mulheres e jovens no mercado de trabalho são temas de trabalhos realizados no Programa de Pós-Graduação da USCS (PPGCOM) pelas alunas de mestrado profissional em Comunicação, Paula Pitondo e Sílvia Carvalho. Com base nos dados obtidos pelas pesquisas e suas respectivas análises, as mulheres levarão de 80 a 150 anos para terem a mesma participação em cargos de poder que os homens, de acordo com dados do Grupo Mulheres do Brasil, enquanto na outra ponta da linha, o uso e apropriação de Literacias de Mídia e Informação (MILs) têm auxiliado jovens pobres da Praia Grande a estarem inseridos em empreendedorismo digital.

O trabalho de Paula, referente à “ONG Mulheres do Brasil: planejamento em comunicação a favor do fortalecimento da esfera pública”, compõe um estudo de caso do grupo e como seu modelo de atuação pode ajudar a melhorar a participação da mulher na vida pública.

“Um empecilho para que a mulher empreenda é a dupla jornada. As mulheres trabalham três vezes mais em tarefas domésticas que os homens, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por outro lado, a questão de conciliar trabalho e maternidade faz com que muitas mulheres empreendam para ter horários mais flexíveis e amigáveis com a criação de uma criança”, explica Paula.

Já Sílvia Carvalho enfoca sua pesquisa em cinco jovens de Praia Grande, no litoral de São Paulo, que aprenderam uma ocupação e a fazer marketing na internet e, a partir daí, começaram a empreender digitalmente. “Dos cinco jovens, três deles desenvolvem serviços físicos, como design de sobrancelha e maquiagem, manicure e confeitaria. Os outros dois são do ramo artístico e usam as redes sociais para divulgarem o seu trabalho”, argumenta Sílvia.

Segundo a dissertação, todos foram capazes de vencer a exclusão digital e estão se destacando em seu bairro. “A sociedade contemporânea tem se estruturado na lógica da conectividade e mobilidade das redes e do trabalho colaborativo e virtual, abrindo caminhos para o desenvolvimento de novas fronteiras, sobretudo no campo do empreendedorismo digital”, finaliza Sílvia.