Notícias

Coordenadores de mestrado profissional em Comunicação discutem rumos dos cursos no Brasil

A mesa “Mestrados Profissionais em Comunicação”, realizada do dia 08/09, no Congresso Intercom 2017, o maior e mais representativo evento de comunicação da América Latina, reuniu coordenadores dos cursos oferecidos no país. A troca de informações e o debate giraram em torno da estrutura acadêmica e grade curricular dos sete programas existentes no Brasil; do posicionamento do Mestrado Profissional na área acadêmica; projetos finais e da elaboração de um documento contendo deliberações que serão enviadas à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que regulamenta a criação e manutenção de cursos.

Em breve apresentação dos programas de mestrado profissional da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS); Universidade Católica do Pernambuco (Unicap); Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM); Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e o Centro Universitário FIAM-FAAM, os coordenadores presentes detectaram a similaridade existente entre os cursos, nas grades curriculares oferecidas e na complexidade do período de 24 meses, exigido para o desenvolvimento de projetos de conclusão dos cursos, que podem ser produtos, serviços, intervenções, planos estratégicos, dependendo dos objetos de estudo e das linhas de pesquisa adotadas para seu desenvolvimento.

É unânime entre os representantes das universidades citadas que, os egressos dos cursos de Mestrado Profissional devam desenvolver projetos que contribuam e impulsionem o desenvolvimento da sociedade, por meio de soluções inovadoras, com embasamento teórico necessário e adequado à autorreflexão e análise crítica de mercado.

Uma das colocações do Coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Indústrias Criativas da Universidade Católica do Pernambuco (Unicap), Prof. Dr. Juliano Mendonça Domingues da Silva, encontra-se a “necessidade de se desenvolver um trabalho sistêmico, no qual o corpo docente tenha atuação empreendedora, na orientação ao aluno do mestrado profissional, no sentido de utilizar o método aliado à teoria e às técnicas necessárias à criação e desenvolvimento de um produto, por exemplo. Também é preciso trocar experiência com profissionais de outras áreas”.

Debateu-se também as práticas em laboratórios, próprios ou em parceria com outras instituições, que permitam aos mestrandos colocar em prática o desenvolvimento de habilidades e competências que contribuam com a criação de seus projetos – sejam eles produtos ou serviços, tendo como exemplo o Porto Digital, em Recife, cujo espaço e espírito de inovação, empreendedorismo e mobilidade social fazem aporte à Unicap, que pensou em um mestrado profissional que complementasse a ideia da cidade inteligente.

Quanto à imagem do Mestrado Profissional, discutiu-se o cenário de transição e adaptação dos cursos acadêmicos, que já demonstravam uma vocação para um retorno “produtivo” à sociedade, em cursos diferenciados. “A atuação do público acadêmico no mercado mostra a demanda de produção, a partir das linguagens, produtos e impactos na sociedade”, avalia o coordenador do Mestrado Profissional em Comunicação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Prof. Dr. João Batista Freitas Cardoso. João Batista ressaltou que a percepção dos coordenadores é que há uma tendência de crescimento nessa área e que o candidato deve ser visto como um empreendedor.

Outro ponto está na necessidade de realizar parcerias com o setor produtivo, empresas produtoras de conteúdo, de inovação tecnológica, capazes de fomentar respostas concretas à sociedade, fornecendo apoio financeiro, seja por meio de patrocínio direto aos cursos de MP, exclusividade na adoção de soluções desenvolvidas na área acadêmica, ou ainda na disponibilidade de espaços de co-criação, a exemplo do que acontece com o laboratório da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e o laboratório da Universidade Federal do ABC (UFABC) na construção de alternativas, unindo academia e mercado.

Integraram a mesa os coordenadores de programas de Mestrado Profissional em Comunicação Prof. Dr. Juliano Mendonça Domingues da Silva (Unicap); prof. Dr. Rafael Grohmann (FIAM-FAAM); prof. Dr. João Batista Freitas Cardoso (USCS); profa. Dra. Sara Feitosa (Unipampa); profa. Dra. Maria Elisabete Antonioli (ESPM) e  profa. Dra. Zulmira Nobrega (UFPB).

 

Texto: Regiane M. S. Bianchini