Notícias

CNPq e FAPESP auxiliam pesquisas do PPGCOM da USCS

HQ e Mídias Móveis são temas de pesquisas financiadas pelas agências

Para auxiliar na pesquisa de temas de interesse público em comunicação, alguns estudos recebem aporte de agências de fomento, como CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) para que a realização dos mesmos seja possível.

O Dr. Alan Angeluci, professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da USCS, desenvolve por meio do CNPq (Edital CNPq Universal, com processo de número 424802/2016-3), a pesquisa cujo tema é “Phubbing: repensando o deslocamento de mídia, as tensões entre as mídias móveis e a interação face-a-face”, com prazo para realização de três anos, de 2017 a 2019. Ao final do projeto, serão lançados pequenos vídeos curtos sobre os resultados da pesquisa, bem como devem começar a ser publicados os resultados da pesquisa em periódicos científicos.

O projeto possui, inclusive, a colaboração internacional de docentes da Universidade do Texas em Austin (UT), onde o professor realizou o primeiro estágio de pós-doutorado em 2013/2014. “Participam do projeto os professores Joseph Straubhaar, Wenghong Chen e Gejun Huang (UT), além da então bolsista CNPq de Iniciação Científica Milena Garcia (hoje minha orientanda no PPGCom-USCS), minhas atuais orientandas no PPGCom Carolina Gois Falandes (hoje bolsista AT CNPq) e Renata Freitas Sena (FAPESP) e minha ex-orientanda, agora mestre pelo PPGE (Programa de Pós-Graduação em Educação) Silvana Comunian Soares”, explica o professor Alan.

O docente relata que o objetivo do projeto é compreender os usos e apropriações de mídias móveis e o comportamento comunicacional de usuários jovens dentro do contexto do Phubbing, um neologismo representado por duas palavras de língua inglesa que remetem às atividades mediadas pelo telefone e efeitos de desprezo (phone + snubbing). “Incorporando e relacionando teorias sobre deslocamento de mídia e midiatização, o estudo centra-se na análise de um questionário sobre jovens estudantes brasileiros de nível universitário, moradores de cinco grandes capitais do Brasil, buscando identificar como compreendem e lidam com as tensões entre as mídias móveis e a interação face-a-face nos diversos grupos que participa”.

O professor Dr. João Batista, também do PPGCOM, realiza a pesquisa “Personagem de HQ e Comunicação de Interesse Público”, que conta com auxílio FAPESP de número 2016/24486-8, que é um desmembramento da pesquisa “Personagem em Tatuagem: transposição das páginas das histórias em quadrinhos para o corpo humano”, concluída em janeiro de 2017 também com auxílio da FAPESP (Processo#2014/21537-5).

“A atual pesquisa objetiva compreender as formas de apropriação desse tipo de signo, que estão relacionadas às práticas subversivas – reprodução, alteração e uso indevido de imagens protegidas por copyright –, e os intercâmbios de significados entre os personagens, as narrativas e discursos de interesse público”, comenta o professor João Batista.

Por meio do projeto, também são analisadas as trocas simbólicas entre os sentidos originados nas narrativas seriadas (histórias em quadrinhos, desenhos animados, filmes cinematográficos, games), consolidados em produtos licenciados, e os significados gerados pelos discursos dos sujeitos que se apropriam de tais figuras.

Alguns resultados desta pesquisa já foram publicados, como é o caso do artigo “The V mask in translation: From commercial to subversive systems”, apresentado em 2018 no congresso da International Association of Media and Communication Research (IAMCR), na Oregon University, na cidade de Eugene (Oregon, USA) e publicado no International Journal of Comic Art (IJOCA), e também o aceite de outra produção na Revista da Asociación LatinoAmericana de Investigadores de la Comunicación (ALAIC), intitulado:  “Personaje y Grafito – Apropiación y Mercado”.

Para 2019, as perspectivas são apresentar o desenvolvimento da pesquisa nos congressos da Compós (Associação dos Programas de Pós-graduação em Comunicação), que acontecerá em junho na PUCRS, em Porto Alegre, e novamente no congresso da IAMCR, que se realizará na Universidade Complutense de Madrid, na Espanha.

A Fapesp

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Com autonomia garantida por lei, a FAPESP está ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação. Seu orçamento anual corresponde a 1% do total da receita tributária do Estado, para apoio à pesquisa e financiamento de investigações, intercâmbio e divulgação da ciência e tecnologia produzidas em São Paulo.

O CNPq

Criado em 1951, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, agência do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MICTIC), tem como principal função fomentar a pesquisa científica e tecnológica, incentivando também a formação de pesquisadores brasileiros.